Blog sobre beleza, comportamento e estilo de vida!

Maroon 5 no Rio de Janeiro – como foi

No último dia 20 a banda Maroon 5 desfez as malas na cidade maravilhosa pro último show da turnê “M5 on the road”. O show, na Praça da Apoteose, conseguiu facilmente tirar 35 mil pessoas de casa num domingo com ameaça de chuva. No fim tivemos a sorte de um céu estrelado para completar uma ótima noite.

maroon 5

A chegada à Apoteose foi fácil, e acho que essa foi a inspiração para a mudança de local em relação ao show de 2012, no HSBC Arena, na Barra da Tijuca. Na época a chegada à arena foi bem complicada, pois o trânsito da Barra é bem caótico, mesmo em dias comuns. Já na Apoteose tinha gente chegando facilmente e em todos os tipos de condução: carro, metrô, trem (foi o meu caso), uber, táxi…

maroon 5

Já no caminho entre a estação Central do Brasil e a Apoteose encontrei muitos fãs decididos a chegarem cedo e garantir os melhores lugares no show. Ledo engano. Chegamos às 18h e encaramos uma fila de fãs que já batiam ponto lá há tempos – alguns há dias, e muito felizes em assumir. Logo se formou uma fila INSANA que percorria desde os portões até a Nova CEDAE, 300 metros que abrigavam uma multidão inconformada com a má organização da fila.

Passado o stress de mais de uma hora na fila, entramos mais ou menos na metade do show da banda de abertura, Dashboard Confessional. Aproveitamos muito pouco desse show, mas conseguimos ouvir a música Vindicated, uma das mais famosas da banda, e um belo cover de Fix You, do Coldplay.

Às 21:35 – no universo dos shows não dá nem pra chamar de atraso – o Maroon 5 subiu ao palco. Com o mesmo setlist dos outros 6 shows do Brasil, a banda foi recebida com grande animação pelo público. As flores verdes no telão e os acordes de Animals levaram a plateia à loucura em segundos. O show foi um verdadeiro festival de hits da banda, sem muita interação com o público e engatando música atrás de música sem dar tempo dos fãs pararem pra descansar. Adam Levine, levando seu ar showman ao máximo, jogou seu casaco para os fãs (casaco que foi despedaçado pelos fãs depois do show, diga-se de passagem. Um sacrilégio…) e momentos depois o Maroon 5 deu uma pausa.

maroon 5

Parte da banda saiu do palco, e ficaram apenas Adam e James Valentine. E aí, a grande surpresa para o público carioca: Era o momento da música Lost Stars, indicada ao Oscar ano passado (momento que eu esperava ansiosamente), e então ouvimos James dedilhar uma bossa no violão. No começo todos olharam uns para os outros, e muitos comentavam que devia ser um aquecimento ou algo do tipo. E eis que Adam começou a cantar. EM PORTUGUÊS. E assim se desenrolou o momento mais marcante da turnê no Brasil: Uma versão especial de Garota de Ipanema, tocada de forma impecável por James e cantada com esforço tons mais baixo que os agudos de Adam, e involuntariamente levou todo o público a cantar junto. Em todos os shows que já fui, esse foi um dos momentos mais bonitos que já vi.

Após esse momento, voltamos ao festival de hits e entramos em grandes sucessos do início da banda, como This Love e Sunday Morning, intercalados com mais recentes, como Daylight e Payphone.

O show terminou às 23h, com um bis que garantiu uma volta pra casa mais que satisfatória para as 35 mil pessoas que compareceram à Apoteose: She Will Be Loved, Moves Like Jagger e Sugar. Diversos sucessos ali, de bandeja. O show teve vários pontos fortes: A empolgante volta do tecladista Jesse Carmichael (agora a banda tem 7 integrantes), as declarações de que não há fãs como os brasileiros – e o vocalista garantiu que não diz isso só pra nos agradar, oremos que sim – e o gostinho de gritar quero mais no fundo da garganta de todo mundo que foi. Confesso que senti falta de Lost Stars, na verdade ainda tô sentindo… Mas a beleza de ouvir aquela versão de Garota de Ipanema valeu o sacrifício. Foi um show simples, dançante, renovador. Renovou minhas energias pelos próximos meses.

Quando é o próximo show, Maroon 5? Já posso comprar os ingressos?

Setlist:

1 – Animals
2 – One More Night
3 – Stereo Hearts (Gym Class Heroes)
4 – Harder to Breathe
5 – Lucky Strike
6 – Wake Up Call
7 – Love Somebody
8 – Garota de Ipanema (Tom Jobim e Vinícius de Moraes)
9 – Maps
10 – This Love
11 – Sunday Morning
12 – Payphone
13 – Daylight
Bis
14 – She Will Be Loved
15 – Moves Like Jagger
16 – Sugar

Fotos: Alexandre Macieira (Riotur, divulgadas pelo G1)

Fernanda Monteiro

Postado por Fernanda. Leva o design na mente, a fotografia na alma e a caligrafia no coração. Devora um livro na mesma velocidade que devoraria um pudim. Se preocupa com a moda e suas tendências, mas acima de tudo com o conforto que pode vir com elas. É uma amante inveterada de séries e música e uma visitante assídua de shows: o que aparecer ela topa!

32 comentários em “Maroon 5 no Rio de Janeiro – como foi

  1. uma super maratona né? Nossa super lotado,eu não gosto de lugares cheios não,tenho fobia sabe,passo logo mal
    Ma o show deve ter sido tudo de bom,pelo que você falou valeu a pena
    beijokas minha linda

  2. Nossa que legal
    e que fila enorme essa é a pior parte né? kkk
    que bom que não choveu e o tempo estava a favor dos fãs
    gostei de saber como foi
    bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Voltar ao topo